quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Opinião


Lucas: a boa notícia

Por Marco Antônio Júnior




Sim, ganhamos da Argentina, jogamos muito futebol e empolgamos nossa torcida? Infelizmente, isso não aconteceu. Nossa seleção realmente foi melhor que em outras oportunidades, mas passou longe dar o show que os torcedores paraenses mereciam. Aliás o espetáculo foi deles ao cantar “a capella” boa parte do hino nacional. O excrete canarinho continuou apresentando alguns dos seus conhecidos problemas. Ronaldinho segue sendo um jogador lento e burocrático que vive de toques laterais e firulas sem objetividade, os volantes seguem sendo discretos e Ralf, tem altas doses de tosquice em seu futebol.

Mas existiram coisas boas, Neymar está aos poucos deixando de ser “cai-cai” e parece ter assumido de vez o papel de protagonista em uma seleção que carece de um jogador que como Ronaldo, Romário e Rivaldo, chame a responsabilidade para si. O lateral do Botafogo, Bruno Cortês merece ser visto em outras oportunidades, ontem, jogou sem inibição parecendo estar à vontade.

Para Mano Menezes o jogo era vital para sequência do seu trabalho nota cinco na seleção. O treinador gaúcho deve o emprego a uma pessoa: Lucas.
O camisa 7 foi a grande notícia da noite. O atleta do São Paulo deixou de lado a timidez demonstrada em outros jogos e ao lado de Neymar é a grande esperança de renovação do futebol brasileiro. Lucas possui uma característica que há muito tempo não se vê entre convocados para a seleção, a velocidade. Creio que desde que Kaká começou a padecer com lesões e deixou de servir o país, não tínhamos um jogador capaz de vencer a barreira do meio campo com rapídez como faz Lucas.

Com atuação de ontem, o sãopaulino garantiu bem mais que o emprego do “professor” Mano, ele reservou para si um lugar nas próximas listas de convocação. Cabe agora ao treinador colocá-lo de vez entre os titulares e parar de lamentar a ausência do badalado Paulo Henrique Ganso, que até agora não demonstrou com a camisa verde e amarela o prestígio que recebe de todos.

Lucas saiu de campo com a certeza de que ganhou preciosos pontos na cotação de Mano, que exorcizou "o fantasma do grande adversário".

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Opinião





Primeiro passo


Por Marco Antônio Júnior

O Grêmio inicia hoje mais uma participação na Taça Libertadores da América. Pela 13ª vez, vamos abrir o peito e tentar buscar o tricampeonato do mais importante título do continente. O caminho não é fácil, aliás, esta longe disso. O panorama do clube, que no final de dezembro era de euforia devido ao quarto lugar no brasileirão, a derrota do maior rival para o desconhecido Mazembe, do Congo e a quase que confirmada contratação de Ronaldinho Gaúcho deixaram muitos tricolores em estado de puro êxtase.

Mas ai veio o 2011, e com ele o fracasso da negociação com R10 e o mais duro golpe levado pelos tricolores nos últimos anos, a saída de Jonas. Jonas era o diferencial do Grêmio, junto com Victor e Douglas formava a certeza de que o elenco tinha algum talento. Mas isso é passado, pelo menos pra mim, devemos voltar nossas atenções para esses dois jogos contra o nem tão conhecido Liverpool do Uruguai. Esses dois jogos são de extrema importância, pois são eles que vão demonstrar que mesmo feridos no nosso orgulho, mas não estamos derrotados. Por isso, tenho certeza que a ausência do nosso ex-mestre que vestia a 7, não vai apagar o ímpeto do nosso maior camisa 7 que estará no reservado. Renato Portaluppi sabe como poucos, que o Grêmio é maior que jogadores que vem e vão, mas o que fica é o clube e sua história. Sabedor disso nosso eterno ídolo incutirá na cabeça de cada atleta que faz parte do elenco que nada adianta o jogador marcar 80 ou 800 gols pelo tricolor se não coroar a sua passagem com um título.

Não considero o Grêmio favorito, dos brasileiros talvez seja o que menos chance tenha se considerarmos questões relevantes como time e banco de reservas, mas acredito como cada gremista deve acreditar que é possível sim, ganhar a Libertadores de 2011. Mesmo desacreditados é obrigação de quem faz parte da nação tricolor crer e apoiar nosso time em cada carrinho, chutão e gol de bico que fizermos porque nunca foram e nunca serão fáceis as coisas para o Grêmio e na base da raça e superação podemos surpreender. Mas para isso, algumas lições devem ter sido aprendidas a maior delas dada pelo co-irmão em dezembro, de que o futebol é surpreendente, mesmo quando enfrentamos irrisórias equipes. Enfim, confio no teu esquadrão Renato.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Futebol de Salto Alto


Na adversidade? O alento!


Por Fernanda Fernandes

Eu torço pro Inter desde que eu sou eu e o Inter é Inter. E tu? O sentimento que eu tenho dentro do peito é muito maior que as duas Libertadores conquistadas e o título mundial que eu tive o prazer de ver. O orgulho em vestir o manto sagrado sempre me acompanhou com ou sem vitórias, porque isso é ser colorado. Simples, mortal e totalmente apaixonado.


Eu sempre ouvia falar de uma década gloriosa em 1970, onde Ídolos eternos como Falcão e Figueroa mostraram para o mundo o poder da vermelhinha, sabia que meu time era TRI Campeão Brasileiro e um deles invicto, feito histórico, que jamais seria batido. Sabia de tudo isso e me orgulhava, mas sabia também que o que eu sentia quando via o Inter em campo não era devido a esses títulos. Era um amor herdado, era uma cultura, a cultura de amar o Clube do Povo mesmo que nada dê certo dentro de campo, de jamais abandonar.


E essa cultura de jamais abandonar foi coroada e presenteada com uma década ainda mais iluminada. O Inter ganha tudo! A resistência do torcedor colorado se transformou em eterna gratidão, demonstrada no quadro de sócios. Somos a torcida que mais acredita no time da América Latina, do contrário não contribuiríamos todo mês para o crescimento e expansão da máquina mortífera INTERNACIONAL. Somos acostumados a adversidades. A nunca abandonar.
E agora somos uma potência do futebol brasileiro, alvo de matérias e estudos, para saber como surgiu o gigante Campeão de Tudo. A nova alcunha é merecida e conquistada dentro de campo, mas confesso que o velho Clube do Povo divide o mesmo amor com o poderoso Campeão de Tudo dentro do meu coração colorado.


Estamos na cara do Mundial, tínhamos chances claras de conquistar o título Brasileiro até duas rodadas atrás e até ontem o título ainda era palpável, tudo isso tendo o maior título da América levantado “há dias” no Beira Rio. E a famosa vaga para Libertadores comemorada como título por aí? Temos a mais saborosa de todas, a que é dada ao dono da América. É pouco pra ti, social? Pra mim não.


As cobranças são naturais, mas é preciso abrir os olhos e ver o abismo que separa o Internacional dos outros Clubes brasileiros. Enquanto empilhamos títulos Internacionais o Brasileirão é conquistado sempre em meio a desconfianças e fraudes, como ano passado aquela baboseira que nos deixou a um ponto do título ou como em 2005. Brasileirão ganha quem tem mais amigos ou o Muricy.


Na pré- temporada o Inter não marcava gols, tivemos amistosos contra times pequenos e os gols não vinham. A adversidade foi apresentada e nós lotamos o Beira Rio mesmo sem os gols para ver o time vencer e nos dar o alento, a Libertadores da América. Repetir cem vezes esse título é necessário, pois alguma memória está fraca, a da torcida ou da imprensa.


O Inter tinha um MEGATIME contra o Barcelona do filho pródigo? O Inter tinha um grande centroavante para conquistar a Libertadores 2010? Não! O Inter tinha e tem uma grande torcida que acredita e apóia sempre. Continuemos assim rumo ao Bi Mundial!

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Opinião

Vitória que alivia

Por Marco Antônio Júnior

Sai zica. Assim mesmo, com batida na madeira e tudo, a saída do Z-4 aliviou muitos gremistas, mas é cedo para pensar que dele escapamos. Não foi a melhor das atuações, longe disso, mas a vitória do Grêmio ontem deu um alento a nossa torcida. Nem a chuva, calou os mais de 30 mil que estiveram no Monumental. Mais uma vez, a torcida teve papel fundamental, gritou, cantou e vaiou quando foi preciso. E não importa a promoção de ingressos, valeu mesmo a força que passamos para o time.

E a história foi a mesma, time impetuoso na primeira etapa e quase varzeano na segunda. A preparação física, precisa ser revista. É impossível que a queda de rendimento seja atribuída apenas a vontade dos jogadores. Mais uma vez, o tão injustiçado Rochemback foi um monstro no meio campo, Douglas e Souza demonstraram novamente que não podem atuar juntos e o Mestre Jonas desencantou. Infelizmente, nosso campeonato é outro, o título e até mesmo uma vaga na Libertadores são objetivos que não vamos alcançar.

O momento é de focar nas dificuldades e tentar corrigí-las, esquecer a nefasta política que atrapalha o clube, é hora da torcida esquecer as desavenças com Duda Kroeff e fazer o que dela é esperado: dar apoio incondicional à equipe. Falta muita coisa ainda, mas quem disse que é fácil? A situação ainda é caótica, e devemos pensar jogo a jogo sem projeções fora da realidade. Devemos esquecer tudo de negativo e pensar no bem maior, que é o nosso Grêmio.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Futebol de Salto Alto

Próximo passo para o próximo Titulo!
Por Fernanda Fernandes

Teremos no próximo embate um confronto que irá testar novamente a força do nosso plantel. Os desfalques para enfrentar o Vitória no Barradão serão nada mais nada menos que General Bolívar da América, suspenso, maestro D’Alessandro, que servirá aos hermanos com seu futebol majestoso que fará falta no matador meio campo colorado, além de Alecsandro e “El Cholo Peleador” que continuam fora.

Além dos desfalques o fator Barradão também é um obstáculo a ser vencido. Pensando por elenco e posições, mesmo fora somos favoritos, o último gol do nosso adversário de quarta-feira foi marcado por um dispensado Colorado, logo temos mais força no time para trazer na mala os três preciosos pontos. Futebol é aquela velha caixinha de surpresas que todos conhecemos, projeções e favoritismos se confirmam ou não dentro de campo, e é de lá que esperamos que comece mais uma comemoração vermelha.

A partir do momento que o grupo transpareceu a vontade de buscar o Tetra ainda esse ano, a torcida passou a acreditar e querer também. A rotina recente de triunfos colorados nos faz crer que todos os títulos são possíveis, contamos com um grupo de jogadores que busca resultados e luta pelo escudo entrelaçado como só nós Colorados lutaríamos, partindo desse pensamento, cada jogo do Brasileiro agora é decisão, o Internacional mostrará a adversário por adversário porque somos os atuais donos da América. E essa amostra deverá passar pelo Vitória, que é sempre valente dentro de seus domínios...acontece que o Inter é valente sempre.

Giuliano Predestinado estará de volta e ocupará a vaga de D’Alessandro, uma reposição a altura de uma ausência tão marcante. O resto das posições desfalcadas ainda não foram definidas no treino em Porto Alegre que antecedeu a viagem do grupo. Como zagueiros foram relacionados: Juan, Sorondo e Ronaldo Alves, se o esquema não for alterado, um dos três deve atuar ao lado de Índio. Independente da escolha de Celso que aproveitem a oportunidade e vistam essa camisa, que segundo o “desabafo Portoalegrense” até Deus já está usando.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Futebol de Salto Alto

Senda de Vitórias!

Por Fernanda Fernandes

É preciso esfregar os olhos para saber que o que os Colorados vivem não é um sonho, é a mais bela realidade que um Clube pode proporcionar aos seus torcedores. É um estado de graça de todos aqueles que têm a sorte de levar no peito esse escudo Campeão, todos aqueles que ano após ano acreditaram no seu time e alimentaram essa religião.

Somos Bi Campeões da América e isso não nos iguala a ninguém, pois quem tem a grandeza de ser o único Campeão de Tudo não precisa de comparações, isso nos torna os maiores Campeões do Brasil dos últimos anos. Os títulos coroam a entrega e responsabilidade do nosso Clube na busca da glória.

Orgulho é uma palavra pequena para expressar o sentimento que toma conta das ruas, as milhares de Camisas Vermelhas espalhadas por aí, as bandeiras nos carros, nas sacadas e janelas são como um sorriso que transmite a felicidade mas não é capaz de explicá-la. É assim que nos sentimos.

O Clube do Povo é hoje o exemplo para muitos gigantes do futebol brasileiro e até europeu, os gringos estão vindo estudar nossas categorias de base, de onde já saíram nomes de peso. A mais recente venda do Celeiro de Ases saiu dizendo que pretende voltar e que aqui deixa uma família, do clube que ama, Taison resumiu no seu adeus emocionado o que é fazer parte dessa história. Índio, o grande Ídolo que estamos tendo a honra de ver jogar, não superou um Ídolo e sim eternizou - se ao seu lado e diz que por ele fica no Inter até morrer, é o Índio eco da torcida colorada: Até morrer!

Em um cenário futebolístico onde as cifras fazem parte do jogo, a quem diga que nenhum jogador pode ter amor ao seu Clube, mas ainda bem que existe o Internacional, que contraria essa visão e mostra em campo onze jogadores que lutam por um resultado, como só nós Colorados lutaríamos.

Uma instituição que nasceu do preconceito alheio, que cresceu junto com a sua torcida, que teve na construção do seu templo apoio e ajuda de seus torcedores merece a posição que ocupa hoje, é uma linda história de amor recíproca, nós te ajudamos Internacional a ser Gigante, somos o maior quadro de sócios do Brasil porque acreditamos em ti.

Colorados, essa fase perfeita não é sonho... é merecimento.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Opinião

Para chutar a crise

Por Marco Antônio Júnior

O jogo dessa noite reserva um ambiente inadequado para se reverter uma crise. O Grêmio não enfrentará somente o também agonizante Vasco, mas terá que lutar contra o frio e a possível chuva que estão dificultando a vida dos portoalegrenses. Com Fernando, Maylson e Ozéia na equipe, o tricolor joga para iniciar uma reação no campeonato, uma vez que seu elenco é reconhecidamente qualificado, apesar de algumas carências, como a tradicional falta de laterais de qualidade.

Desta vez, a imortalidade que estará à prova é a do técnico Silas. O treinador segue na corda bamba, apesar das diversas manifestações da Direção afirmando que o profissional seguirá no comando mesmo em caso de (bate na madeira) derrota. A posição na tão temida zona de rebaixamento é temporária, assim como foi para o co-irmão.

Hoje é dia de jogar feio, “chegar junto”, dar carrinho e vencer na base do abafa, da cara feia e do dedo na cara. Mostrar ao Vasco que o Olímpico apequena, acua e encurrala o adversário que ousa enfrentar o tricolor de peito aberto. É dia de esquecer que o Silas está na casamata e o Meira na Direção. O Grêmio necessita do apoio incondicional, de 1 ou de 50 mil Gremistas, quem for ao Monumental é OBRIGADO a empurrar o tricolor rumo a vitória.

Tenho certeza que os torcedores que lá estarão vão apoiar o time do início ao fim, nada diferente do que estamos acostumados a ver. Eu até que vejo com bons olhos uma mudança de atitude e principalmente de pessoas (técnico, comissão técnica e diretores), mas isso deixo pra depois, o foco hoje é no Vasco.